Vírus mais agressivo da dengue avança no Brasil 6

Por: UOL Notícias | Data da Postagem: 18/07/2016

Embora a maioria dos casos de dengue no Brasil ainda seja causada pelo tipo 1 da doena, cresce em alguns Estados a circulao do sorotipo 2, o mais agressivo dos quatro vrus existentes. Dados do mais recente boletim epidemiolgico do Ministrio da Sade, com estatsticas de 3 de janeiro at 28 de maio, mostram que, de um total de 2,2 mil amostras positivas para dengue analisadas em laboratrio neste ano, 6,4% j so do tipo 2, ante 0,7% no ano passado. No Estado de So Paulo, esse tipo de vrus j responsvel por 13,6% dos casos da doena, ante 0,5% em 2015.

Alm de ser considerado por especialistas o mais violento dos quatro sorotipos da dengue, o tipo 2 ainda est relacionado a outro risco no Pas. Como parte da populao brasileira j foi infectada pelo tipo 1, a ocorrncia de uma segunda infeco por outro sorotipo aumenta o risco de desenvolvimento de uma das formas graves da doena, que podem levar morte, como a febre hemorrgica.

Segundo o infectologista Artur Timerman, presidente da Sociedade Brasileira de Dengue e Arboviroses, o risco maior em uma segunda infeco pela doena est relacionado resposta imunolgica do paciente que j contraiu o vrus uma vez. "Como j existem anticorpos contra um tipo de dengue no organismo, h uma reao inflamatria exacerbada, que prejudica o organismo, mas que no consegue neutralizar o novo sorotipo. O risco de desenvolvimento de uma forma grave da dengue de 15 a 20 vezes maior quando se trata de uma segunda infeco."

O grande nmero de brasileiros infectados pelo tipo 1 nas epidemias de dengue dos ltimos anos uma das razes que explicam o crescimento dos casos provocados pelo tipo 2, segundo especialistas. "Como o vrus tipo 1 da dengue est circulando h muito tempo no Brasil, j temos muitas pessoas imunes a ele. Quando h o contato dessa populao com outro sorotipo, aumenta mesmo o nmero desses tipos de casos porque h mais pessoas suscetveis a ele. E uma segunda infeco por dengue tem tendncia a uma gravidade maior", explica Marcos Boulos, coordenador de Controle de Doenas da Secretaria Estadual da Sade.

Alm de So Paulo, outros Estados registram circulao do tipo 2 da dengue acima da mdia nacional. No Par, 33,3% das amostras analisadas correspondem a esse sorotipo. No Distrito Federal, esse ndice de 26,8% e em Rondnia, de 13,1%.

Interior

Segundo Boulos, no Estado de So Paulo, esse sorotipo est presente predominantemente na regio de Ribeiro Preto, no interior paulista. Em parceria com a Secretaria Municipal da Sade do municpio, pesquisadores da Faculdade de Medicina da USP de Ribeiro Preto tm feito a vigilncia virolgica dos casos de dengue na cidade para estabelecer qual o porcentual de casos de cada sorotipo.

"O que a gente tem visto que, do fim do ltimo ano para c, houve mesmo um aumento dos casos de dengue tipo 2. Dependendo do ms, eles j representam cerca de 25% a 30% dos casos na cidade. Mas no acho que isso seja restrito a Ribeiro. Esse aumento deve estar acontecendo em outras reas do Estado tambm", afirma Benedito Antonio Lopes da Fonseca, professor de Infectologia da faculdade e um dos coordenadores do monitoramento virolgico no municpio.

O pesquisador disse ainda que pelo menos uma das sete mortes por dengue registradas neste ano na cidade aconteceu por uma infeco provocada pelo tipo 2 da doena. A paciente apresentava uma doena crnica, condio que aumenta o risco de complicaes.

Segundo Boulos, diante do avano do tipo 2 da dengue no Estado, a Secretaria Estadual da Sade dever reforar com mdicos e outros profissionais de sade as diretrizes de atendimento a pessoas com suspeita da doena. "Todos tm de ficar mais atentos aos sinais de agravamento da dengue. Teremos de pensar duas vezes antes de liberar o paciente."